Exclusão social e reinserção

Definições e conceitos

Figura 22

Relação entre exclusão social e consumo de droga

Figura 22

De acordo com o último estudo sobre «precariedade social e integração» (99), a percentagem da população europeia em risco de pobreza e de exclusão social na Europa varia entre 9% e 22% (Conselho Europeu, 2001). Uma pessoa é considerada socialmente excluída quando está impedida de participar plenamente na vida económica, social e civil e/ou quando o seu acesso ao rendimento e a outros recursos (pessoais, familiares e culturais) é de tal modo insuficiente que não lhe permite usufruir de um nível de vida considerado aceitável pela sociedade em que vive (Gallie e Paugam, 2002).

A exclusão social pode, portanto, ser definida como uma combinação de falta de meios económicos, de isolamento social e de acesso limitado aos direitos sociais e civis; trata-se de um conceito relativo dentro de qualquer sociedade particular (CEIES, 1999) e representa uma acumulação progressiva de factores sociais e económicos ao longo do tempo. Os factores que podem contribuir para a exclusão social são os problemas laborais, os padrões de educação e de vida, a saúde, a nacionalidade, a toxicodependência, a desigualdade sexual e a violência (Conselho Europeu, 2001; Relatórios Nacionais, 2002).

O consumo de droga pode ser encarado seja como uma consequência seja como uma causa de exclusão social (Carpentier, 2002): o consumo de droga pode deteriorar as condições de vida, mas, por outro lado, os processos de marginalização social podem ser um motivo para se começar a consumir droga. No entanto, a relação entre toxicodependência e exclusão social não é de natureza causal, porque a exclusão social não se aplica a todos os toxicodependentes (Tomas, 2001).

Tendo em conta esta complexidade, é possível não só analisar o consumo de droga entre populações socialmente excluídas mas também estudar a exclusão social entre os toxicodependentes (Figura 22).


(99Inquérito do Eurobarómetro 56.1.